terça-feira, 8 de abril de 2008

Criação do “Movimento de Defesa do Ramal da Lousã”

Todos os dias cerca de três mil pessoas utilizam o Ramal da Lousã em deslocações para o trabalho, para as escolas ou para aceder a diversos serviços públicos só disponíveis em Coimbra. É também uma ligação que poderia ser potenciada como factor de desenvolvimento do aparelho produtivo e da região. Incompreensivelmente, há quase vinte e cinco anos que não há qualquer tipo de investimento por parte das entidades públicas nesta linha.

As indefinições a que tem estado sujeito o projecto do Metro Mondego têm preenchido os órgãos de comunicação social durante as últimas semanas. É incompreensível como é que um projecto que já custou dezenas de milhões de euros ao orçamento de Estado continua envolto em contradições, que parecem ser tanto maiores quanto mais se vai conhecendo o projecto.

É ainda mais preocupante quando muitas das informações que são já conhecidas parecem demonstrar que os utentes que frequentam a actual ligação entre Coimbra-Parque e Serpins nada ficarão a ganhar com a transformação do Ramal em Metropolitano Ligeiro.

No dia 16 de Março realizou-se em Miranda do Corvo uma reunião de trabalho de utentes e outras pessoas que se têm preocupado com o futuro do Ramal da Lousã para discutir aspectos relativos às novas alterações que se anunciam para este troço ferroviário num futuro próximo.

Nesta reunião, em que participaram cerca de duas dezenas pessoas dos três concelhos servidos pelo ramal, saíram as seguintes iniciativas:

- Criação do “Movimento de Defesa do Ramal da Lousã”, incorporado por todos aqueles que assim o desejarem, no sentido de defender a modernização e electrificação do Ramal da Lousã, com a manutenção da ligação à rede ferroviária nacional.

- Lançamento de um abaixo-assinado, que estará disponível tanto em papel como na página de Internet (http://ramaldalousa.blogspot.com), que defende a prévia ponderação da modernização e electrificação da linha antes de se avançar para transformações definitivas no Ramal.

- Marcação de uma nova reunião para dia 12 de Abril, aberta a todos os que quiserem participar, às 21.00 horas.

3 comentários:

Vítor Ramalho disse...

Solidário com a vossa luta, vou acompanhá-la e apoiá-la.

Anônimo disse...

o facto de não publicarem alguns coments demonstra a vossa forma de estar, a verdade custa não é?

Alcoforado disse...

Estou de acordo com alguma das exigências que estão a fazer, nomeadamente a redução dos preços de bilhetes e passes, aumento da velocidade, do número de lugares (não necessariamente sentados) e da frequência do transporte. Por conseguinte isto exige a introdução de novas unidades modernizadas e a electrificação da linha, a qual é essencial, não só para a redução dos custos como também para o bem do ambiente.
Estopu também em desacordo nalguns pontos. Os veículos que actualmente fazem o transporte neste via estão num estado de degradação (a nível mecânico) muito alto, são muitas as avarias e os consequentes atrasos e isto pa não falar na falta de condições no transporte de passeios; é notável a falta de lugares sentados e é ainda mais grave a insegurança que as pessoas têm tendo que fazer aquele percurso em pé, pois existem poucas ou nenhumas barras de apoio para as pessoas manterem o equilíbrio. Como tal não será apenas necessária a modernização dos equipamentos já existentes mas sim a introdução de novos e numa vertente mais urbana, o que quero dizer com isto? Simples! Não é necessário um elevado número de lugares sentados, mas sim uma grande capacidade de transporte de passageiros com o máximo de segurança possível! E não me venham dizer que uma viagem em pé é muito cansativa, pois sou um lousanense e a minha viagem é muito mais longa que a maioria dos utentes desta via que são maioritáriamente mirandenses. Isto tudo poderá ser compensado na velocidade e consequentemente no tempo de duração da viagem. Nesta nova sociadade, em que tudo é feito a um ritmo frenético e onde a escassez de tempo é sempre grande, uma grande aposta neste novo projecto de substituição do já ultrapassado Ramal da Lousã será sim a velocidade e a frequência do transporte!!!
Tendo já evidenciado a minha opinião quanto a este movimento acho extremanente necessário divulgar aqui, para que toda a gente saiba, que muitos colaboradores desta organização estão a ter uma má intervenção junto dos utentes desta via. Queria, então, destacar que (entendendo que a culpa não seja da organização em si) uma das pessoas que andava a recolher assinaturas durante uma viagem Miranda-Coimbra quando chegou junto de mim perguntando, muito educadamente, se desajava assinar, ao que eu respondi, também com toda a educação, que não desejava pois não concordava totalmente com todos os propósitos da vossa luta e com isto recebo uma resposta nada amistosa de que um dia iríamos falar, isto em tom de ameaça. Isto eu acho uma total falta de respeito para com a liberdade de expressãop e opinião e é muito lamentável que uma organização que pretende a colaboração das pessoas tenha atitudes destas perante aquelas que não pretendem colaborar.